Resenha: A Acusada - Patricia Maiolini

Editora Sinna
202 páginas
2017

Marina é uma jovem que conseguiu realizar o sonho de fazer um intercâmbio em uma escola-internato no Canadá. Ao chegar lá, ela imediatamente se dá bem com sua colega de quarto, Elisa, uma garota popular e muito querida pelos alunos, mas que parece mais infeliz a cada dia que passa. Até que Elisa é encontrada morta na frente da fonte do colégio. E o que era pra ser o intercâmbio dos sonhos de Marina, se transforma em uma grande dor de cabeça, a medida que os alunos passam a acusá-la de ser assassina. Mas ela está determinada a provar sua inocência e descobrir quem matou sua colega de quarto.

Finalmente tive a oportunidade de concluir A Acusada, segundo livro da autora Patricia Maiolini.
Nas primeiras impressões, gostei muito da premissa e do rumo da história, apesar de ter algumas ressalvas. Agora, podendo ler integralmente, pude me sanar algumas insatisfações e ter algumas outras ressalvas.

“Estou com medo. Mas preciso enfrentar a escuridão atrás de respostas.”

Uma das ressalvas que mencionei nas Primeiras Impressões foi o fato. Felizmente é fácil se acostumar com a escrita da autora. O ritmo ainda continua rápido, e algumas situações acabam por serem prejudicadas. Uma cena específica, no caso, pareceu não ser tão importante quanto deveria na obra. Ainda assim, a narrativa em torno de Marina tentando desvendar o mistério é intrigante e provoca ansiedade e angústia no leitor, fazendo com que ele queira saber o que acontece, e nesse caso, que é a plot do livro, a narrativa acelerada e que vai direto ao ponto ajuda na compreensão.
Portanto, considero que ao longo do livro o ligeiro incômodo que tive nas primeiras impressões quanto ao ritmo da leitura melhorou, chegando ao ponto de nem perceber direito, apenas nas exceções mencionadas.
A escrita de Patrícia Maiolini é gostosa, com muitos diálogos, o que considero bom porque quebra a tensão do gênero do livro – ainda que a tensão esteja lá – e torna a leitura proveitosa e fácil de entender, podendo ser concluida em um dia.

Os personagens são interessantes, tipicamente jovens, cheios de problemas e angústias. Mas meu interesse ficou mesmo em dois personagens: a diretora do colégio e o detetive contratado por Marina para ajudá-la. Ambos participaram de minha cena favorita, que inclui outra personagem que gostei muito por ser diferente e bem construída: Leila. De fato, os melhores personagens são os que mais se afastam do pessoal popular do colégio. Talvez excetuando Elisa, que é uma garota popular que quebra os esteriótipos e acabei apreciando muito as poucas partes que ela pôde aparecer.
De fato, creio que o ponto mais falho da trama tenha sido o romance. Marina se apaixona em poucas páginas, sem que haja um real desenvolvimento da trama, nesse aspecto, e por isso, o leitor não consegue entender o sentimento de amor da personagem. Seria mais crível se, apesar de o romance não ser o foco da história, houvesse mais páginas dedicada a ele, afim de que se pudesse ao menos ter identificação com os casais. Ou poderia não haver o romance, pois a história de Maiolini realmente funciona plenamente sem ele.

Por fim, após a metade do livro não fica tão difícil suspeitar corretamente de personagens que possam ter assassinado Elisa. O mistério fica mesmo por conta sobre como e porquê isso aconteceu, o que considerei interessante, ainda que fosse considerar ainda mais interessante caso houvesse um mistério maior em torno do assassino da garota. Além disso, nessas partes nota-se o extenso trabalho de pesquisa da autora, que vão sobre conhecimentos científicos até sobre a justiça canadense, o que trouxe realidade para a obra.
Finalizo dizendo que Patrícia Maiolini é uma autora iniciante com absoluto potencial, que conseguiu fazer uma história instigante e que vicia, além de saber conduzir uma boa história de mistério e romance policial, gênero difícil, sendo nova. Fiquei interessada em ler suas obras já lançadas ou que serão futuramente e espero poder fazer futuramente, bem como acompanhar sua carreira.

2 comentários:

  1. É um livro que me deixa um pouco curiosa, porém não é exatamente uma leitura que costuma me atrair. Não sou muito chegada em suspense...
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Eu gosto de mistérios, suspenses e intrigas e gostei bastante da premissa do livro e sua ressalva nem é tão grave para que eu não anote rs
    As vezes ficamos acostumados com escritas mais detalhadas e eu particularmente gosto de suspenses rápidos daqueles de tirar o fôlego e que se resolva logo! (bem, às vezes) rs
    Gostei muito da resenha e o livro já foi para listinha.
    Bjs

    ResponderExcluir