Resenha: Esqueça o Amanhã - Pintip Dunn



Editora: Galera Record
Tradução:  Ryta Vinagre
384 páginas
2017

Quando completam 17 anos, todos os jovens recebem uma visão do seu futuro que os mostra a que devem dedicar seus esforços. Há grandes atletas, cientistas e chefes de sucesso mas, no caso de Callie, há assassinato. Em sua visão, Callie mata a própria irmã e antes que ela sequer possa entender o que viu, é presa.
Agora, o único capaz de ajudá-la é Logan, uma paixão da infância com quem ela não fala há cinco anos e que a ajudará a proteger a irmã de Callie dela mesma.

"Porque a esperança, por mais irracional que seja, é uma coisa poderosa. Quando as probabilidades estão contra nós, quando a batalha parece insuperável, pode ser que só a esperança nos faça continuar."

Quem conhece meu gosto literário sabe que eu amo uma distopia, assim fiquei de olho nesse livro no segundo em que seu lançamento foi anunciado, tanto pelo gênero quanto pela excelente premissa que ele possui e que me deixou extremamente curiosa.


Na futurística Eden City todos os jovens, ao completarem 17 anos, recebem sua memória do futuro, um momento que pode alterar o curso de vida daquele jovem. Assim, se uma pessoa recebe uma memória onde se vê como um famoso cantor, ela irá largar tudo em prol de se dedicar a seguir o que estava na sua memória futura, ainda que não seja o que ela queria se tornar inicialmente. Também há as pessoas que recebem memórias ruins, como Callie, a protagonista, que se vê assassinando a própria irmã e é presa antes mesmo de ter feito algo. Uma premissa e tanto, nao é? Uma pena que, infelizmente, não foi explorado de maneira a que conseguisse alcançar toda a grandiosidade que poderia.

Vamos começar pela questão que talvez seja a principal: a maior parte do livro, eu diria que 80%, é focado no romance de Callie, a protagonista, com Logan, sua paixão de infância, o que gera grandes cenas de declarações e monólogos de Callie quanto à beleza e o amor que ela sente pelo rapaz. Nada contra romances, eu os adoro, mas numa trama tão rica quanto a criada por Pintip havia muito mais a ser explorado - como as descobertas sobre as memórias do futuro, a própria Eden City, as pessoas paranormais que são perseguidas pelo governo, dentre outras - e tudo acabou sendo ofuscado pelas intermináveis divagações acerca dos atributos físicos do rapaz e da imensa vontade que ela sentia de beijá-lo.

Toda a parte política, a busca por respostas e por sobrevivência que trazem suspense e ação ao livro e ansiedade ao leitor existem, mas em doses bem menores do que o necessário, o que deixou em mim uma grande sensação de "cadê?". As partes não constituídas pelo romance são extremamente interessantes e me deixavam salivando por mais, como por exemplo a questão das pessoas paranormais e o próprio surgimento de Eden City, entretanto pouco foi dito e explicado ao longo da narrativa, o que foi uma grande pena.

Nessa onda de ofuscação causada pelo romance aconteceu de não conhecermos bem os personagens secundários que são vários e me pareceram ser muito interessantes, como as pessoas que fogem do governo por conta de suas memórias futuras ruins. Assim, temos conhecimento de Callie, uma jovem que não vê a hora de receber sua memória, uma vez que tem certeza de qual será o seu futuro, mas que do nada tem a sua vida mudada e que fará de tudo para salvar a sua irmã. Callie é uma boa personagem mas não vai muito além disso, já que o seu foco quase que integral em Logan não permitiu que ela se desenvolvesse e criasse a independência que geralmente os protagonistas de uma distopia tem.

O ponto positivo fica por conta da escrita de Pintip Dunn, que traz uma narrativa em primeira pessoa. Extremamente leve, fluída e gostosa, é daquelas que faz as páginas voarem e livro ser lido em poucos dias.

Parte do suspense faltante durante o livro pode ser encontrado no último capítulo, onde informações novas e importantes foram passadas ao leitor de forma meio aleatória, deixando um gancho mais do que bem feito para uma sequência. Confesso que gostei da forma como a história foi finalizada e que, apesar das melhorias necessárias, fiquei curiosa quanto ao real desfecho dos personagens e sobre as respostas das questões que surgiram e somente por isso não descartei ainda a possibilidade de ler as sequências. Afora isso, fica a tristeza por uma excelente ideia que não foi desenvolvida dá forma que merecia.


Sobre a série:
"Esqueça o Amanhã" é o primeiro livro da trilogia de mesmo nome que conta ainda com um spin-off. Ainda não há previsão de lançamento para a continuação.

14 comentários:

  1. achei otima sua resenha
    me deixou super curiosa pra ler esse livro
    parabéns pelo blog muito sucesso

    ResponderExcluir
  2. Que blog lindo, a premissa do livro é bem interessante e sua resenha me deixou curiosa pra a leitura do livro.

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Achei bem interessante a premissa do livro, e mesmo lendo pouco distopia o que me chamou atenção foi a parte do suspense. Fiquei com vontade de saber mais sobre Callie e Logan.
    Espero conseguir ler em breve!
    Beijos!

    Camila de Moraes.

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Gosto de livros em primeira pessoa. Na verdade é quase uma exigência minha.
    Mas pelos pontos que levantou, eu acho que não daria uma chance pra ele não.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Pena que aparentemente não é tão bom, a proposta dele parece muito boa. Mas nem todas as vezes o autor consegue desenvolver, mesmo.
    Beijos
    Mari
    www.pequenosretalhos.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Larissa! Achei a premissa interessante, mas parei por aí. Eu não gosto de romances e saber que ele é basicamente centrado só nisso me pareceu bem chato e cansativo. Adorei a sua resenha.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Oiii linda tudo bem?
    Infelizmente dessa vez a obra não despertou meu interesse, mas fico feliz que tenha trazido a resenha para nós e até mesmo a sua opinião que é muito válida.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Oi Larissa, uma boa distopia sempre é bem vinda, ainda mais que eu não conhecia. Ua pena que a ideia apesar de boa não foi tão bem desenvolvida. Vou esperar pelos outros volumes para ver como seguirá a história.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  9. Oie amore,

    OMGGGG que livro é esse... já quero ler, não conhecia até então, mas já anotei a dica por aqui.
    Adoro livros assim com a leitura fluída e que a história nos faz ficar presos e terminar em um único dia.

    Beijoka!

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito da sua resenha, o livro tem alguns pontos que eu não gosto então não sei se leria.
    Gostei da sua dica, sucesso no blog.

    ResponderExcluir
  11. Já tinha lido uma sinopse desse título... O ruim desse tipo de história é que a gente fica em dúvida se continua a leitura (vai que melhora a narrativa e aprofunda melhor nas partes que faltaram) ou se para a leitura (pode ser que continue um horror e seja uma perda de tempo). Independente dessa dúvida, eu não leria, estou sem paciência para livros ruins e mesmo melhorando, prefiro não arriscar.

    Nara Dias
    www.viagensdepapel.com

    ResponderExcluir
  12. Olá, acho essa capa muito parecida com uma da série Belo desastre...curioso isso né?
    Já conhecia a obra e já está na lista de desejados. Parabéns pela resenha.

    Abraços

    ResponderExcluir
  13. Resenha perfeita, mas pensaria duas vezes em ler o livro, não gosto quando a protagonista se preocupa mais com o carinha do que com o resto da sua vida, ainda mais em uma distopia. Bjos
    www.diferentesou.com.br

    ResponderExcluir
  14. Bom, preciso dizer várias coisas a vocês.
    A primeira é que vocês me conquistaram assim que abri o blog e me deparei com o Zip na foto de título do blog. Eu amo A Bela e a Fera e fiquei tão apaixonada por ele estar ali que na mesma hora me inscrevi no seu blog.
    A segunda é que eu amei o blog como um todo. Layout leve, lindo e fofo, meus parabéns.
    A terceira é que eu amei a forma como a resenha foi escrita. Um linguajar claro e super fácil de se entender, mas um motivo para eu ter amado o blog de vocês.

    Confesso que me decepcionei com o livro. Quando abri e li a apresentação do livro na divulgação, fiquei super animada, porém essa parte da personagem principal estar mais preocupada em idolatrar seu par, me deixa a desejar. Sou super clichê, mas para uma leitura me prender, precisa de uma dose moderada entre romance, personagens secundários e todo o contexto da história. Coisa que dá para notar que fica um pouco de lado devido a esse romance excessivo.

    Parabéns mesmo pelo blog, pela escrita e por tudo, ganhou uma seguidora fiel.

    Já Aos 20?

    ResponderExcluir