Resenha: Summer Love - Guilherme Tironi

Editora Sinna
276 páginas
2018

Se alguém lhe dissesse que seu fim está próximo, você viveria cada dia lentamente, como um inverno rigoroso, ou viveria com uma rapidez inexpressiva, como em um verão miseravelmente quente?
A vida de Zach teve seu fim recentemente marcado e transformada de uma crescente inércia em uma montanha russa de sentimentos quando mudou de escola.
De uma forma inesperada e inesquecível, foi colocado perante a amizade e o amor. Joe e Hasley lhe mostraram que, mesmo que algo tenha um fim, esse ALGO pode ser incrivelmente infinito.
As melhores coisas da vida são como chuvas de verão: chegam de repente, avassaladoras e intensas, deixando rastros inesquecíveis e marcantes.


Que nós aqui no Por Livros Incríveis temos certo fraco pelos chamados sick lit, é mais do que claro. Basta olhar para o nome do blog, inspirado em um livro do gênero. Quando o livro é brasileiro, então, o fraco se multiplica!
Esse é o caso com Summer Love, esse livro da capa belíssima que falaremos na resenha de hoje.

Summer Love conta a história de Zach. um adolescente que tem câncer e que está em fase terminal. Apesar dos dias contados, ele decide ir para uma nova escola, para que sua rotina seja a mais normal possível. Lá ele conhece Hasley, uma garota excluída e Joe, um jogador do time da escola. Contra todas as probabilidades, eles iniciam uma amizade que parece uma chuva de verão: forte e rápida.

Summer Love foi meu primeiro contato com a escrita do autor Guilherme Tironi e posso dizer que foi uma leitura gostosa. A narrativa é fácil, envolvente e os personagens construídos cativam o leitor. A história, a primeira vista, parece semelhante a outras do gênero, mas Tironi consegue dar seu toque de originalidade, tornando-a perfeita para se ler em uma tacada só.

Divididos em capítulos em ordem decrescente, contando os dias, há também trechos de músicas que tem a ver com o capítulo em que elas estão, seja pela essência da letra, seja porque de fato são mencionadas pelos personagens. A música, de gênero pop e a poesia, autorais, inclusive, estão presentes na obra. Foi bem interessante ver como Tironi aventura-se em outros textos dentro do próprio livro, dando a possibilidade de conhecer um pouco melhor a escrita dele.
O autor também propõe muitos momentos interessantes de reflexão, então prepare-se para ler diálogos profundos, principalmente entre Zach e Hasley.

É muito bonita a forma como o autor retrata a amizade. Summer Love fala de amor sim, mas principalmente no amor entre amigos, a cumplicidade e confiança que eles constroem entre si. O romance LGBT também foi bem construído, mesmo não sendo o foco da obra. É um relacionamento fofo, onde os dois garotos conseguem ser intensos, mesmo com todas as dificuldades. Senti só falta de um pouco mais de emoção em algumas cenas.

Entretanto, alguns pontos deixaram a desejar.  O maior deles, é a ambientação da trama, que não é bem definida. Confesso que não lembro se o autor chegou a mencionar o local, pois se menciona, foi bem pouco. Os cenários todos dão a entender de que se passa no exterior, mas enquanto o trio principal possui nomes ingleses, grande parte dos personagens secundários possuem nomes brasileiros - inclusive em sua forma escrita. Detalhes como o protagonista entender LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), me deixaram confusa, por mais que brasileiros sejam mencionados na história. Ao meu ver, foram pequenos detalhes que causaram estranhamento e atrapalharam-me um pouco no ritmo de leitura.

Em suma, o primeiro livro do autor Guilherme Tironi tem uma leitura agradabilíssima, bem escrita e com pouquíssimos pontos negativos, particularmente. Como uma boa história, emociona, cativa e pede por uma caixa de lencinhos do lado, porque é certeza de que o leitor irá se emocionar.

Resenha: Vilão - V. E. Schwab

 
Editora Record
Tradutora: Flavia de Lavor
364 páginas
2019

Uma história sobre ambição, inveja, desejo e superpoderes, da autora da série Tons de Magia.
Victor e Eli, dois jovens brilhantes, arrogantes e solitários, se conheceram na Universidade de Merit e logo se deram bem, identificando um no outro a mesma sagacidade e a mesma ambição. No último ano da faculdade, o interesse em comum numa pesquisa sobre adrenalina, experiências de quase morte e poderes sobrenaturais lhes oferece uma possibilidade antes inimaginável: de que uma pessoa, sob as condições certas, seja capaz de desenvolver habilidades extraordinárias. No entanto, quando colocam em prática essa teoria, as coisas dão muito errado.
Dez anos depois, Victor foge da prisão, determinado a encontrar seu antigo amigo ― agora inimigo. Para localizá-lo, ele conta com a ajuda de uma garotinha, Sydney, cuja natureza reservada esconde uma habilidade sem igual, mas extremamente perigosa. Enquanto isso, há dez anos Eli tem uma única missão: erradicar todas as pessoas ExtraOrdinárias que encontra ― exceto sua ajudante, Serena, uma mulher enigmática e persuasiva, capaz de impor sua vontade a qualquer um. Armado com poderes terríveis e movido pela lembrança da traição e da perda, Victor caça seu arqui-inimigo em busca de vingança e de um embate no qual sabe que um dos dois deve morrer.

Que V. E. Schwab é uma das minhas autoras favoritas - ou A favorita - todos nesse blog já estão cansados de saber! E se amo quase todos os livros dela, é claro que fiquei apaixonada por Vilão também.

O livro já começa com uma citação de Joseph Brodsky:
"A vida - como ela realmente é - não é uma batalha entre o bem e o mal, mas entre o mau e o pior."
Portanto, o título do livro resume bem a história. Quem é o vilão?

Resenha: Agir e pensar como um gato - Stepháne Garnier

Editora Valentina
Tradutora: Maria Alice A. de Sampaio
208 páginas
2019

Ao observar Ziggy, seu gato, Stéphane Garnier começou a perceber que muitas coisas que fazia sem ter vontade, muita gente com quem convivia e nada tinha a lhe acrescentar, muito estresse e energias negativas que trazia para casa depois de um dia de trabalho só serviam para uma coisa: fazer com que se sentisse mal, pra baixo, infeliz...Foi num desses dias em que Ziggy caminhava pela sua mesa de trabalho, deitava-se sobre o teclado do computador e não parava de mordiscar a tampa da caneta, que Stéphane entendeu que ele estava querendo lhe transmitir uma mensagem: “Ei! Que tal desligar um pouco?”Desligar... Talvez fosse esse o segredo que ele desejava contar já havia algum tempo: largar de mão, entregar-se ao essencial, pensar no próprio bem-estar, ou seja... Viver como um gato!Stéphane descobriu que os gatos vivem muito melhor do que nós! São livres, honestos, carismáticos, nobres, independentes... e temos MUITO a aprender com eles.

Agir e pensar como um gato foi um dos lançamentos da Editora Valentina na Bienal do Livro de 2019. Infelizmente, demorei mais do que gostaria para realizar a leitura desta obra que é uma gracinha!

Resenha: A Fada Mamãe e Eu - Sophie Kinsella

 
Editora Galera Junior
Tradutora: Marcela Filizola
2019
176 páginas
Ella tem um grande segredo: sua mãe é uma fada. Aliás, todas as mulheres de sua família têm poderes mágicos e asas lindas. Além de uma Smartvarinha capaz de produzir os mais interessantes feitiços, como criar a festa de aniversário perfeita, acelerar a fila do supermercado e fazer lindos e deliciosos cupcakes. Mas a mãe de Ella também tem certa... dificuldade para operar sua Smartvarinha, e nem sempre seus feitiços acabam saindo do jeitinho que se imaginou a princípio. Sorte a dela ter Ella sempre por perto para ajudar a resolver as coisas e fazer tudo voltar ao normal. O novo livro de Sophie Kinsella, feito sob medida para os pequenos, traz uma mensagem sobre as virtudes da paciência e sobre como a vida familiar não precisa ser perfeita para ser divertida e repleta de amor.

Que Sophie Kinsella é uma autora renomada e rainha do chick-lit, todos nós sabemos. O que muitos são sabem ainda é que a autora resolveu escrever seu primeiro livro voltado para as crianças, chamado A Fada Mamãe e Eu.

Resenha: Gatunas - Kirsten Smith


Editora Astral Cultural
Tradutora: Cláudia Mello Belhassof
272 páginas
2019

O que três garotas poderiam ter em comum além de algumas aulas entediantes no ensino médio e problemas corriqueiros de adolescente? Pode parecer estranho, mas essas três jovens, tão diferentes entre si, criaram uma aliança ligada pela emoção de roubar. A história contada através de múltiplas perspectivas revela que, mesmo em uma situação completamente inusitada, na qual elas deveriam estar aprendendo os passos da recuperação após terem tido problemas com a polícia, podem acabar selando uma amizade pra vida toda.
*Sinopse original

"Amizade não tem preço. O resto a gente pode roubar."

Thabita, Elodie e Moe. Três adolescentes completamente diferentes mas que são unidas pelo destino graças a um hábito em comum: furtar. Mas nem todo crime é perfeito e as três são pegas e passam a fazer parte do LLA - Ladrões de Lojas Anôminas, um programa de reabilitação para cleptomaníacos. Em meio às reuniões do LLA e de uma competição - nada saudável - sobre quem furta o item mais legal, nasce uma amizade entre três garotas que tem mais problemas do que deixam transparecer. Gatunas se tornou série pela Netflix antes mesmo do seu lançamento e deixou em polvorosa a maioria dos blogs literários que acompanho - e eu me incluo nessa.