[Evento] Cobertura Bienal do Livro São Paulo 2018


2018: mais um ano, mais uma Bienal, dessa vez na terra da garoa, São Paulo. Malas prontas e... na verdade esse ano foi diferente, ninguém da equipe pretendia ir ao evento, principalmente por questões financeiras, mas ai, por ironia do destino, depois de quatro anos tentando finalmente conseguimos a tão sonhada credencial de imprensa para cobrir o evento (Yeahhh!!). E agora, José? Bom, era uma oportunidade que não poderíamos desperdiçar, certo? Assim, reuni toda a minha carga aventureira e parti, de ônibus, para aproveitar o primeiro dia (e somente ele) da Bienal do Livro de São Paulo.

Essa foi a minha segunda vez na edição de SP, que aconteceu entre os dias 3 e 12 de agosto no Pavilhão do Anhembi. Local de fácil acesso também para quem sai da rodoviária Tietê, esse ano o evento contou com 1.500 horas de atividade e teve como tema de debate o livro como principal propulsor do pensamento crítico. Infelizmente, pela falta de tempo, não consegui participar de nenhuma das atividades promovidas mas a variedade era enorme e a qualidade do que foi oferecido era nítida.


RESENHA: Quatro vidas de um cachorro - W. Bruce Cameron


Editora: Harper Collins
Tradutor: Regina Lyra
288 páginas
2016

Esta é a inesquecível história de um cão que — após renascer várias vezes — imagina que haja uma razão para seu retorno, um propósito a cumprir, e que, enquanto não o alcançar, continuará renascendo. Narrado pelo próprio animal, Quatro vidas de um cachorro aborda a questão mais básica da vida: Por que estamos aqui?
Emocionante e com boas doses de humor, Quatro vidas de um cachorro é um livro para todas as idades, que mostra o olhar de um cão sobre o relacionamento entre as pessoas e os laços eternos entre os seres humanos e seus animais. Se você gostou de Marley & eu, vai adorar esta aventura que agora ganha as telas do cinema.

*Sinopse original

"(...) eu não sabia ao certo por que nós dois havíamos sido separados, mas sabia que, quando chegasse a hora, ele iria me encontrar."
Quem não gosta de uma boa história sobre animais, não é? Eu adoro, sempre me emociono, mas raramente leio algo do tipo (tão raramente que nem me lembro quando e qual foi o último), então confesso que não fiquei muito empolgada quando recebi de cara dois volumes da Harper Collins (aliás, obrigada pessoal!) sobre o tema e nem pensei muito em quando faria a leitura dos títulos. Mas, graças a vocês que votaram na enquete pra escolher a minha leitura da semana lá no instagram e escolheram Quatro Vidas de um cachorro, eu realizei essa leitura mais cedo do que pretendia e pude me encantar com essa história cheia de ensinamentos.


[Sobre Filmes] Todo Dia



Título original: Every Day
Elenco: Angourie Rice, Justice Smith, Owen Teague, Maria Bello, Debby Ryan
Direção: Michael Sucsy
Ano: 2018
Duração: 1h 38 min.
Gênero: Drama, Fantasia, Romance


Sinopse:
A tem o incrível poder de acordar todos os dias em um corpo diferente, independente de gênero, cor ou idade. Sua rotina de constante adaptação, no entanto, ganha ares tristes quando acorda no corpo de Justin e acaba se apaixonando perdidamente pela namorada dele, Rhiannon.
Um dos mais renomados nomes da literatura juvenil da atualidade, David Levithan - que estará no Brasil esse fim de semana, participando da Bienal do Livro de SP (ontem, dia 11) e realizando duas sessões de autógrafos no Rio de Janeiro (saiba mais aqui e aqui) - é o autor, dentre diversos títulos, do aclamado Todo Dia que foi recentemente adaptado para as telonas e encontra-se atualmente em cartaz nos cinemas. Fã confessa do autor e do título, não pude deixar de conferir a versão cinematográfica de sua obra que, apesar ter dado um filme satisfatório, deixou muito a desejar.

"Todo Dia" nos apresenta a história de A (diversos atores), uma pessoa (ou um ser?) que todos os dias acorda em um corpo diferente, sem interferir ou se envolver, mas sempre da mesma faixa etária e de locais próximos. A, que não se identifica como ele ou ela, não sabe qual é realmente ou o motivo dessa mudança diária mas segue seu destino sem grandes percalços até que um dia acorda no corpo de Justin (Justice Smith), um jovem atleta popular que não se importa muito com ninguém além dele mesmo, e conhece a namorada do rapaz, Rhiannon (Angourie Rice), por quem se apaixona após viverem um dia memorável. A partir dai, após convencê-la de sua condição, ambos vivem uma história de amor onde, diariamente, precisam vencer os obstáculos causados pelos desconhecido.


Resenha: Mais que amigos - Lauren Layne


Editora Paralela
Tradutor: Alexandre Boide
224 páginas
2018

Será que vale a pena arriscar uma grande amizade em troca de um amor inesquecível?

Aos vinte e dois anos, a jovem Parker Blanton leva a vida que sempre sonhou. Tem um namorado inteligente e responsável, um emprego promissor e a companhia de seu melhor amigo, Ben Olsen, com quem divide um lindo apartamento. 
Parker e Ben são tão grudados que muita gente duvida que eles morem sob o mesmo teto sem nunca ter vivido um caso, mas eles não se importam com o que as pessoas pensam. Sabem que não foram feitos um para o outro — pelo menos não para se envolver. 
Por isso, quando um acontecimento inesperado faz com que Parker se veja sem namorado e com o coração partido, ela sabe que pode contar com Ben para ajudá-la a sacudir a poeira e partir para outra. Afinal, ninguém seria mais ideal do que seu melhor amigo para lhe mostrar os prazeres da vida de solteiro… certo? 
Mais que amigos é uma comédia romântica irresistível!

*Sinopse original


"Ben e eu numa relação de desapego? Pois é. O apego decidiu dar as caras. E estou totalmente à mercê dele."
Uma coisa que sempre digo é que não há nada como um clichê bem feito, que nada mais é do que usar uma fórmula já conhecida mas dando toques aqui e ali para que a história se destaque no meio de tantas outras parecidas por usarem a mesma premissa. E foi exatamente isso que Lauren Layne fez em Mais que Amigos: um romance clichê sim, mas muito bom.


[HQs #12]: A Louca dos gatos - Sarah Andersen


Eu sei, eu sei: faz um tempinho que não postamos sobre HQs e vocês sentiram falta, mas acreditem, nós também e por isso fico mais do que feliz em vir falar sobre uma coletânea de quadrinhos cujo título mais do que representa a equipe desse blog.

A terceira coletânea da cartunista Sarah Andersen traz novas tiras que retratam os desafios de ser um jovem adulto num mundo cada vez mais instável.
Os quadrinhos de Sarah Andersen são para todos que precisam lidar com níveis de ansiedade cada vez mais alarmantes, que sentem que o mundo está à beira do colapso e que se esforçam para sair ao menos um centimetrozinho da zona de conforto. Ou seja, é basicamente um manual de sobrevivência para os dias de hoje.
Além de suas tirinhas sagazes e encantadoras, a autora, que já reuniu mais de 2 milhões de fãs no Facebook, traz também ensaios ilustrados com dicas para os artistas aspirantes aprenderem a lidar com críticas, ignorarem os trolls na internet e não desistirem de mostrar seu trabalho.


Muito provavelmente vocês já viram ao menos um dos quadrinhos de Sarah Andersen pelas redes sociais e, ainda mais provavelmente, se identificou com sua representação cômica e sincera do cotidiano e é exatamente isso o que esse compilado vai te provocar ao longo de cada quadrinho desenhado pela artista de traços marcantes e e reconhecíveis em qualquer lugar.

Lançado pela editora Seguinte, A Louca dos gatos possui 112 páginas onde a autora aborda as diversas ansiedades vividas pelos jovens adultos e a forma como, geralmente, lidamos com essas dificuldades comuns a maioria de nós. O bom humor é presença garantida em cada página, o que torna a leitura extremamente prazerosa além de muito rápida (mais um daqueles livrinhos que lemos em questão de horas).

Com traços cativantes, a autora traz nas páginas finais diversas "dicas de sobrevivência" para os artistas iniciantes, indo desde como lidar com a rejeição inicial ao anunciar sua pretensão de trabalhar com arte até os sentimentos ruins que a internet e as redes sociais podem nos provocar. Particularmente, não me encaixo no público alvo dessa última parte mas ainda assim achei as dicas muito relevantes e úteis para qualquer um que pretende seguir uma carreira ou um sonho.

Produzido em versão capa dura, a parte gráfica é de excelente qualidade e encanta os olhos se tornando mais um motivo que nos leva a querer adquirir o título, que com certeza é uma excelente aquisição.